COMO TORNAR O PROCESSO DE COMPRAS UM ALIADO NA AQUISIÇÃO DE  PRODUTOS DE QUALIDADE.

COMO TORNAR O PROCESSO DE COMPRAS UM ALIADO NA AQUISIÇÃO DE PRODUTOS DE QUALIDADE.

COMO TORNAR O PROCESSO DE COMPRAS UM ALIADO NA AQUISIÇÃO DE
PRODUTOS DE QUALIDADE.

* Daniela Carvalho 

Quando pensamos no processo de compra para aquisição de produtos ou serviços logo nos veem em mente um longo e demorado caminho de burocracia , onde será preciso empenhar grande tempo no empreendimento de formulários e aceitar o resultado gerado pela área de compras, com a qualidade, durabilidade e funcionalidade com o menor preço que seja encontrado.

Esse é um entendimento errôneo deste mecanismo, pois o processo de compras serve para conseguir o “melhor” preço do produto, que atenda todas as necessidades da área que está solicitando o equipamento, e com a qualidade que eles desejam.

O melhor preço não quer dizer o mais barato disponível no mercado, mas sim, a combinação da melhor qualidade, durabilidade, confiabilidade dentro do valor, definido pela média DOS PREÇOS DE MERCADO.

Para fazer essa pesquisa de preço no mercado, à instituição que está solicitando precisa ter em mente qual a especificação técnica. Ou seja, a definição do produto com tamanho, material usado, acabamento, qual sistema de segurança usa, se tem laudo do material usado, se precisa ter algum produto customizado especialmente, como por exemplo, fivelas ou outro tipo de padronização especial, etc.. e enviar para o grupo de compras que, com essas informações, consiga fazer uma pesquisa do que esta sendo comercializado e encontrar a média de preço.

Na administração Pública, o procedimento de compra divulga a intenção de compra do órgão público, e este seleciona a melhor proposta dentre as apresentadas por fornecedores que atendam aos requisitos previamente fixados. Esse procedimento é chamado de licitação.

 

O saudoso mestre Hely Lopes Meirelles (2008, p. 274) define licitação como “o procedimento administrativo mediante o qual a Administração Pública seleciona a proposta mais vantajosa para o contrato de seu interesse”. Como vimos, a licitação é uma obrigação constitucional no Brasil e está contida em três artigos diferentes, no art. 22, no qual se define que é competência da União legislar sobre normas gerais de licitação, no art. 37, inciso XXI, quando cria a obrigatoriedade para a Administração Pública, de fazer procedimento licitatório nas contratações de obras, compras, serviços e alienações e, ainda, o art. 175 que também obriga a fazer licitação nos casos de concessão ou permissão. ao observarmos tais requisitos no processo de compras, estaremos maios próximos de compreender o espirito da lei. Não apenas para vencer a burocracia, mas além disso, torná-los aliados na compra do melhor produto para o serviço público. com esses elementos, as despesas realizadas pelos órgãos públicos por meio das licitações serão mais eficientes e assim gerarão mais e melhores serviços públicos para a população.

Referencia - Curso de LICITAÇÕES E CONTRATOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA aqui , Centro Universitário Maringá , Professor Fernando Otero

 

* Daniela Carvalho é Representante Comercial da empresa Filizzola, gerente de projetos e certificada em análise de qualidade de processos e produtos.

Deixe uma resposta

Error: Please enter a valid email address

Error: Invalid email

Error: Please enter your first name

Error: Please enter your last name

Error: Please enter a username

Error: Please enter a password

Error: Please confirm your password

Error: Password and password confirmation do not match